segunda-feira, 21 de abril de 2008

Como parei de doar dinheiro à igreja e porque voltei a contribuir

money pink floyd dollarTodos que me acompanharam pela internet, nos blogs, nos textos e comunicadores, sabem da crise que tive com o suposto cristianismo que provei. Só conto essas histórias porque sei que muita gente passou ou está provando do mesmo. Não quero ser negligente quanto à necessidade de informar, pra que nenhum desavisado tenha que passar o que passei numa instituição que deve ser o maior chapéu depois das falsas agências de modelo: a igreja institucionalizada.

Frequentei um local que hoje olho com muita tristeza. Sei que há pessoas sérias e comprometidas em amar e cuidar de pessoas nessa instituição, mas há quatro coisas que é triste ver crescendo no meio dos meus amigos:

  1. a salvação dá lugar a exploração do dinheiro,
  2. liturgias como batismo juntam-se a cursos e cursos como se fossem pré-requisitos para que pessoas sejam salvas
  3. cura tornou-se maior do que suportar as doenças com uma esperança maior em futuro com Cristo
  4. A volta de Jesus toma um segundo plano diante de promessas de uma vida sem turbulências nessa nossa passagem pela terra.

Todas as reuniões eram palavras emocionadas, tocantes, com músicas melosas ao fundo, que eu tocava diga-se de passagem, afim de deixar as pessoas envolvidas e suscetíveis a entregar dinheiro no primeiro leilão em que vendessem vidas perfeitas.

A persuasão era obra de maestria inquestionável. Os que de alguma forma não tinham nenhuma quantia para doar, eram intimidados em algumas reuniões onde eram distribuídos certificados para dizimistas. Os cursos sempre tratavam do assunto de ofertas como algo que tornava as pessoas prósperas e lhes tiravam toda a preocupação, caso doassem. Se não doassem , algumas dessas pessoas se tornavam paranóicas a ponto de falar que Deus tinha as abandonado!

Cansado de tudo isso, a primeira coisa que fiz foi sair do grupo de louvor. Alguns meses depois parei de doar dízimo. Não demorou muito para que eu me sentisse culpado e voltasse a doar meu dinheiro, só que dessa vez fiz algumas doações para o Portas Abertas. Semanas depois parei de doar novamente, e comprei vários livros .

Já muito irritado e envergonhado de participar disso tudo, mudei de igreja a convite de alguns amigos que conheciam a Igreja Betesda que fica próxima aqui de casa. E não, não vou rasgar seda para ninguém, só vou agir do modo mais egoísta, afinal esse é um post sobre dinheiro.

Quando cheguei nessa comunidade, não encontrei nada de muito diferente. Não tinha muitas pessoas tatuadas, e o mais diferente que vi foi uma menina meio hippie, mas isso tem em todo lugar.

Gostei do lugar onde não faziam propaganda de Deus, e nem incentivava ninguém a levantar as mãos e sair gritando e chorando dizendo que queria Jesus. Sabe... isso de querer Jesus é algo complicado, não existe este milagre em apenas uma noite. Todos precisamos d'Ele, mas decidir que realmente queremos ser pessoas melhores parecidas com Cristo é algo bem mais complexo, que leva um tempo e talvez nunca alguém chegará a algo totalmente certo sobre isso.

Fiquei sabendo que nessa igreja eles tinham algumas obras sociais em uma comunidade carente aqui de São Paulo, um centro de saúde para ser mais exato. Resolvi voltar a doar meu dinheiro nesse local baseado em alguns princípios que consegui finalmente entender:

  • Dízimo não é para quem está debaixo da graça. Se ainda continua acreditando assim, você nasceu cerca de 2000 anos atrasado
  • Gafanhoto e lagarta são apenas insetos, e as únicas verdinhas que eles conseguem comer, são as folhas das plantas.
  • Se você não der dinheiro, Deus te ama do mesmo jeito
  • Doar dinheiro à igreja deve fazer parte de um ato consciente, que inclui saber onde ele está sendo usado
  • Se não freqüenta nenhuma igreja, é interessante cogitar doar seu dinheiro para uma instituição de caridade séria. Isso não significa doar dinheiro no ônibus ou depositar na conta daquelas pessoas ligam nos infernizando a vida
  • Contribua com boas causas, e isso pode até ultrapassar a quantia que você se comprometeu à oferecer para a igreja

Doar o dinheiro é muito difícil em uma sociedade em que se ensina economizar cada centavo. Não estamos isentos de nossa responsabilidade com as causas humanas. Doar para o Reino de Deus é algo que vai além das supostas punições, do nosso egoísmo, e principalmente, muito além de uma instituição que supostamente leva o nome de Cristo. Esse ato engloba responsabilidade social. Assim como não jogar lixo na rua, diminuir a emissão de poluentes, cuidar das plantas e dos animais, contribuir com um pouco do que você tem é um ato de amor, consciência e agradecimento.

5 comentários:

  1. Mas com certeza toda a igreja evangélica está em crise. Na minha nunca rolou esse lance de grana não. Mas às vezes rola uma pressãozinha por parte do pastor, mas nada de mais.
    O que tem acontecido é a automatização dos crentes. Há muito tempo nem eu e ninguém que eu conheça tem conseguido fazer as coisas da igreja de coração. O louvor é fraco, a pregação muitas vezes serve pra medievalmente botar medo e a juventude parece um bando de morto.
    Eu não sei o que está acontecendo com a igreja, mas ver missas do movimento carismático na TV me faz ficar um pouco tranquilo.
    Concordo plenamente que nosso dever com a igreja vai muito além do espiritual. Tudo pode e deve ser usado socialmente.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Ao se referir a mudanças de comportamento, dizem que o ser humano nunca troca a mobília da sala, apenas troca o estofado. E isso é ótimo, pois assim nunca perdemos o que há de especial em nós, o que nos diferencia dos comuns, sem ficarmos repetitivos.
    Bom te ver de novo, de roupagem nova, claro!

    Quanto a doar dinheiro... agora só pago o dízimo em cominho, couve e alface.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Eu sou meio suspeito para dizer, e esse lance de dízimo já ecoou na minha cabeça há um tempo atrás como um passaporte para o inferno, confesso que quase pirei, se uma coisa dava errado, lá me vinha na cabeça a imagem do pastor falando: viu! viu! tá roubando de Deus... vai dar tudo errado na sua vida! é como um apito, deu, vc está bem, não deu vc de ferra! porém minha integridade ninja sabe muito bem como eu usufruo da igreja e sei os gastos que ela tem com água, luz, instrumentos, funcionários e esse são motivos que me faz ofertar e dizimar sem uma regra, mas faço, não como eles querem ;)

    ResponderExcluir
  4. Oi!
    Imagino sua decepção, e também sou contra a exploração da fé e outras coisas mais que vemos por aí...
    Mas lembre-se que a igreja que vc frequenta agora, a Betesda (não é?) tem um custo operacional (luz, água, telefone, salários, etc...) que algumas pessoas ajudam com ele através de seus dízimos. Então, vc acha justo que você podendo não o faça?

    ResponderExcluir
  5. Anônimo, acho que você não leu o meu post.
    Você está afirmando o que eu disse categoricamente. Pelo modo como fala, parce não ter saído nem do 2º parágrafo.
    Peço que releia com atenção,aí entederá que isto que você disse, não procede.

    ResponderExcluir